Acrimat pede apoio a Bolsonaro a projeto que regulamenta uso da palavra carne

image_pdfGerar PDFimage_printImprimir

A Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat) solicitou o apoio do presidente da República, Jair Bolsonaro, para a aprovação do Projeto de Lei nº 2876 de 2019 que estabelece que nas embalagens, rótulos e publicidade de alimentos, a palavra carne e derivados como “bife”, “hambúrguer”, “filé” e “bacon”, fiquem exclusivamente reservadas a bovinos, suínos e aves. O que significa, que produtos como “carne de soja”, não deverão utilizar esse termo. 

O documento pedindo o apoio do governo foi entregue ao presidente pela representante regional da Associação, Maria Ester Tiziani Fava, nesta quarta (5), durante o ato “Juntos pelo Araguaia”, realizado em Aragarças (GO). Conforme o ofício elaborado pela Acrimat, existem sucessivas campanhas que tentam colocar a carne bovina em descrédito junto aos consumidores brasileiros e internacionais, via de regra, colocando-a como provocadora de doenças ou produzida sem a necessária sustentabilidade social, econômica e ambiental.

“Além disso, mais recentemente vimos surgir produtos serem comercializados com o uso da palavra “carne”, porém, sem que sejam tecidos comestíveis de espécies de açougue, notadamente bovinos, suínos e aves. Tais produtos são produzidos a partir de extratos, polpas de frutas, etc., cujo valor nutricional difere em muito das carnes de origem animal, que poderá, dentre outros aspectos enorme turbulência nos mercados”, afirma o presidente da Acrimat, Marco Túlio Duarte Soares.

O projeto em tramitação na Câmara dos Deputados é de autoria do deputado federal, Nelson Barbudo (PSL), que acompanhou a comitiva liderada pelo presidente da República. Para a representante da Acrimat, a entrega do documento a Bolsonaro foi positiva e reforça a preocupação da entidade não apenas com a cadeia produtiva, mas também com a transparência e harmonia das relações de consumo e respeito à saúde da sociedade em geral.

“Entendemos que a sociedade não pode ser enganada em seu direito de consumir proteínas para a sua subsistência. O presidente foi receptivo e seguiremos acompanhando a tramitação deste importante projeto”, disse. (Por: RD News)

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *