Em dois anos e meio, Alto Taquari poderá ter seu quarto prefeito

image_pdfGerar PDFimage_printImprimir

Nesta foto, Ivan Borba, Fábio Carbugio e Marco Aurélio, os dois primeiros já assumiram. O terceiro deve assumir amanhã.

Com o afastamento do prefeito Fábio Garbúgio (PTB), Alto Taquari terá seu quarto gestor, em 2 anos e meio, assumindo a prefeitura. O vice Marco Aurélio Julien (PRB) já foi notificado e deve tomar posse ainda esta semana. Fábio é suspeito de improbidade administrativa por supostamente ter cobrado propina no valor de R$ 17 mil a um fazendeiro.

Ao Semana7, o vice-prefeito lamenta que o município esteja passando pela sua terceira troca de gestor em um único mandato. “Isso é vergonhoso. Um município com potencial como alto taquari estar passando por essa vergonha política. Se está acontecendo isso é porque a lei está sendo cumprida.”

Marco Aurélio lembra que será o quarto prefeito a assumir em Alto Taquari, município que nos últimos 2 anos e meio assistiu a uma cassação de chapa, um período de administração interina e o recente afastamento do gestor atual pela Justiça. Para ele, o Ministério Público Estadual (MP), autor da ação que afastou Garbúgio, foi contundente em sua atuação.

“O Ministério Público está fazendo seu papel e a Justiça não brinca. Eu creio que muita coisa venha a acontecer em nosso município devido ao trabalho do MP no estado de Mato Grosso”, disse por telefone, ao Semana7

Sobre as pretensões como prefeito interino, Marco Aurélio afirma que a meta de seu governo será manter as garantias institucionais da população, como saúde, educação e segurança. “A primeira coisa que a gente tem que fazer ao entrar lá é um balanço da prefeitura, ver como está a situação, o que está funcionando, quais os projetos em andamento, quais vão ser priorizados.”

Segundo ele, entre as prioridades de sua administração estará a geração de empregos, o incentivo à industrialização do município e a garantia aos direitos dos servidores públicos.

O presidente da Câmara de Vereadores, Leandro Almeida (PSB), ainda não foi intimado para dar posse ao vice, porque está em viagem. Até o momento, não há data confirmada para a cerimônia.

Investigação

A Justiça determinou o afastamento de Fábio Garbúgio por 180 dias e o bloqueio de seus bens, em até R$ 51 mil. O prefeito tem o prazo de 15 dias para apresentar recurso.

Segundo investigações oriundas de uma ação movida pelo Ministério Público Estadual, Garbúgio teria abordado um produtor rural e sua esposa, quando ele saia da propriedade com um caminhão carregado com produtos agrícolas. A carga seria pesada em uma balança disponibilizada por terceiros, para que fosse emitida a nota fiscal.

Acompanhado de um fiscal e de um policial, o prefeito teria exigido do produtor o valor de R$ 17 mil para liberar o caminhão. Segundo consta no relatório, o veículo teria ficado retido a até o pagamento do valor.

Três cheques foram emitidos, entre os quais dois foram depositados na conta do Posto Garbúgio, de propriedade do prefeito. O outro teria sido sacado no caixa de uma cooperativa de crédito, por um funcionário do gestor.

Semana7 não conseguiu contato com o prefeito Fabio Garbúgio até o fechamento da matéria.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *